Casas de bifanas em Vendas Novas ganham esplanadas em ruas cortadas ao trânsito

Casas de bifanas em Vendas Novas ganham esplanadas em ruas cortadas ao trânsito

28/05/2020 0 Por Carlos Joaquim
Apesar das restrições impostas pelas autoridades, devido à pandemia de covid-19, as casas de bifanas em Vendas Novas, no distrito de Évora, “ganharam” espaço, depois de o município ter fechado ruas para a instalação de esplanadas.
Na zona da Boavista, onde se situa a maioria dos cafés que vendem Bifanas de Vendas Novas, foram fechadas duas ruas paralelas à Estrada Nacional (EN) 4 e colocadas floreiras de betão para impedir a passagem de veículos.
Com capacidade total para 120 pessoas, o espaço, que outrora foi de circulação e estacionamento para automóveis, permite que cada uma das cinco casas de bifanas das proximidades coloque seis mesas e 24 cadeiras de esplanada.
“Se não fosse a esplanada, não dava para podermos estar a trabalhar nas condições suficientes, porque temos metade da lotação lá dentro”, admite à agência Lusa Manuel Estróia, um dos gerentes do Café Snack-Bar A Chaminé.
Depois de ter estado fechado durante cerca de dois meses, este estabelecimento abriu, há cerca de uma semana, com apenas 30 lugares sentados no interior, metade da lotação que tinha anteriormente, a que se juntam agora as 24 cadeiras da esplanada.
“Foi uma boa ideia que surgiu da câmara de nos conceder este bocadinho para trabalharmos. Na altura do verão, é muito bom”, sublinha Manuel Estróia, considerando que, apesar de se “perderem” lugares no estabelecimento, a esplanada “compensa” as limitações.
O gerente do Café Snack-Bar A Chaminé diz que os clientes agora preferem ficar na esplanada do que no interior do estabelecimento, por existir ainda “um bocadinho de receio” em relação à p
É o caso de Helena Limpinho, que almoçava numa mesa da esplanada juntamente com outras três pessoas. De passagem por Vendas Novas e habituada a parar para saborear uma bifana, não quis falhar o ritual, mas, desta vez, no exterior.
“Achei que era mais seguro do que lá dentro. Não sei se será, mas como estou na rua penso que seja mais seguro”, porque há “mais distanciamento social, as mesas estão bastante afastadas uma das outras e, então, sinto mais segurança”, assinala.
Já Paulo Banha, a caminho de Lisboa com a família, conta à Lusa que parou em Vendas Novas para almoçar bifanas e explica que escolheu ficar na esplanada não por medo da covid-19, mas por estar mais fresco.