Lisboa | Presidente do Instituto do Sangue assume coordenação da transplantação

Lisboa | Presidente do Instituto do Sangue assume coordenação da transplantação

3 de Abril, 2019 0 Por Carlos Joaquim
Depois de seis anos, a coordenação nacional dos transplantes de órgãos passa a ser assegurada pelo presidente do Instituto Português do Sangue e da Transplantação. Ana França será substituída por João Paulo Gaspar de Almeida e Sousa
Depois de seis anos a ser assegurada pela médica Ana França, a coordenação nacional de transplantação passa a ser acumulada pelo presidente do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST), João Paulo Gaspar de Almeida e Sousa. Em entrevista ao Expresso, Ana França diz que sai de consciência tranquila, mas reconhece fragilidades na estrutura e, sobretudo, defende um maior reconhecimento da importância da área da doação.
O instituto tem por missão regular e garantir a dádiva, colheita, análise, processamento, preservação, armazenamento e distribuição de sangue humano, de componentes sanguíneos, de órgãos, tecidos e células de origem humana e a área da transplantação. Cabem ao IPST a gestão nacional do Registo Português de Dadores de Medula Óssea, o processamento, armazenamento e distribuição de tecidos e células do cordão umbilical de origem humana e as atividades relacionadas com a colheita de órgãos e tecidos, tanto no sector público, como privado, e ainda, as responsabilidades inerentes à escolha do par dador-recetor.
Em 2018, morreram em Portugal 76 pessoas à espera de serem transplantadas. No ano passado houve menos seis dadores falecidos do que em 2017 e, dos 976 órgãos colhidos, 757 foram transplantados, o que representa uma perda de 219 órgãos. Ana França, 67 anos, foi até à última sexta-feira, coordenadora nacional de transplantação, tendo cessado funções no passado domingo. Em entrevista ao Expresso, faz um balanço do que fez e, sobretudo, do que falta fazer.