Hora de Fecho: “Look up here, I’m in heaven.” Quem morreu em 2016

31 de Dezembro, 2016 0 Por Carlos Joaquim

Hora de fecho

As principais notícias do dia
Boa tarde!
2016 foi um ano especialmente difícil para a Cultura, com as mortes de Bowie, Prince, Leonard Cohen e Carrie Fisher, entre outros. O Observador recorda algumas das celebridades que morreram este ano.
À entrada de 2016, mostrámos-lhe quais eram as 10 questões para a Economia e para os mercados globais. Conheça as respostas que cada uma delas teve, num ano alucinante.
O antigo Presidente da República mantém-se em coma profundo, mas com “parâmetros vitais com níveis normais”. O Hospital da Cruz Vermelha e a família decidiram suspender boletins clínicos diários.
A PSP está a colocar barreiras para impedir a passagem de camiões na zona da Praça do Comércio, em Lisboa, e na Avenida dos Aliados, no Porto, para evitar situações como a do atentado de Berlim.
Das passagens de ano que já viveu, é provável que se lembre destes programas de televisão, do “bug do milénio”, do fogo-de-artifício que foi um flop e dos primeiros euros que levantou num Multibanco.
Nunca o lema “vá para fora cá dentro” fez tanto sentido. É que segundo a imprensa internacional temos das melhores cidades, praias, comida, hotéis e vinhos do mundo. 2016 foi e 2017 é ano de Portugal.
O alegado amante da mulher do embaixador da Grécia no Brasil, Kyriakos Amiridis, confessou ter morto o diplomata. A mulher admite ter sido cúmplice.
Françoise Amiridis é suspeita de cumplicidade no homicídio do marido. Polícia descreveu a morte do embaixador grego no Brasil, Kyriakos Amiridis, como “um crime passional”.
A declaração foi feita no programa humorístico da TSF e da TVI24, “O Governo sombra”, onde o primeiro-ministro também falou da “geringonça”: “Quem sabe se durará mais que outros casamentos”.
Às 11 horas em Lisboa, a Nova Zelândia celebrava a entrada em 2017. O país faz parte do grupo dos primeiros a entrar no novo ano. Austrália, Japão, Coreia do Sul e Coreia do Norte também já lá estão.
A pensar nos mais novos, que não aguentam acordados até à meia noite, Sidney lançou um fogo de artifício para as famílias logo às 21 horas. 
Opinião
André Azevedo Alves
Seria um sinal preocupante indicativo de um estado geral de bovinidade do país se um ministro fosse forçado a sair pelo uso da referida expressão numa conversa privada com um amigo de longa data.
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
É razoável que um dirigente de uma escola estatal de um país laico, Itália, tenha em conta as diversas sensibilidades religiosas, mas não ao ponto de negar a identidade nacional e tradições culturais.
Miguel Tamen
Nas sociedades mais ricas e mais livres não existe um consenso público sobre as coisas que se devem ensinar a crianças, ou aliás a ninguém.
Isabel Soares
Numa visão do mundo mais organicista e menos mecanicista, como a que está a emergir de muitas áreas da ciência, os princípios do liberalismo e da livre iniciativa são mais importantes do que nunca.
Helena Garrido
Para o bem de Portugal, da democracia portuguesa, temos apenas de desejar que o ano de 2017 seja isento de tempestades financeiras que destruam a prosperidade ilusória criada em 2016.
Mais pessoas vão gostar da Hora de fecho. Partilhe:

no Facebook no Twitter por e-mail

Leia as últimas

em observador.pt

Observador

©2016 Observador On Time, S.A.
Rua Luz Soriano, n. 67, Lisboa