Entrevista exclusiva com o Campeão Olímpico Carlos Lopes…

29/02/2016 0 Por Carlos Joaquim

by Mira Online

É um gentleman! Para além disso, foi um grande atleta, fato que o levou aos píncaros da glória quando venceu a maratona olímpica, e será sempre uma das grandes referências do atletismo nacional. Trata.se de Carlos Lopes, nome sobejamente conhecido e respeitado por todos os portugueses (e não só).

Em entrevista exclusiva ao Jornal Mira Online, deu a conhecer algumas particularidades da sua carreira, que durou 22 anos, sendo que os 2 últimos foram pensados ao momento em que teria de “pendurar as sapatilhas”.

MO – Quem é Carlos Lopes?


CL – Tenho imensa dificuldade em falar de mim, mas penso que sou um ser normal, que fez o que gostava de fazer, embora o atletismo tenha começado como forma de convívio, para depois ganhar um lugar importante na sua vida. Também gosto muito de conviver com as pessoas.

MO – É verdade que a sua primeira paixão no desporto foi o futebol?

CL – Sim, é verdade! Embora eu tivesse “jeito para a coisa”, não tinha físico. Assim, ao assumir o atletismo, não fico nada arrependido, pois cheguei ao alto rendimento, e isto supera o facto de não ter seguido no futebol (risos)

MO – Recentemente completou 69 anos de idade. Do que se orgulha mais neste período de vida até agora traçado?

CL – Orgulho-me, essencialmente em ser a pessoa que sou, ter e manter minhas convicções e sou recompensado por estes valores! Consigo gerir esta minha forma de ser, de uma forma sensata…

MO – Sua primeira prova oficial foi aos 16 anos e teve um segundo lugar numa S. Silvestre! Como foi possível este resultado?

CL – A natureza fez bem as coisas! Para além disso, penso que tinha um “dom” e, sem nada prever, acabei por ficar em segundo lugar na S. Silvestre de Viseu e ganhamos por equipa, o que deu-nos uma motivação especial para o futuro.

MO – Um ouro (maratona) e uma prata (10.000 metros) nos Jogos Olímpicos, três ouros e duas pratas em mundiais de corta-mato. Este curriculum faz de si o melhor atleta português de todos os tempos? 

CL – Na verdade, como já disse, fiz o que mais gostava. Tinha, também, consciência do meu valor e uma força  mental muito grande. Nada veio por acaso na minha vida desportiva. Eu ficava extremamente chateado comigo mesmo quando as coisas corriam mal… assim “rebobinava o filme” para saber onde falhara, para poder colmatar os erros. Aprendi muito com as derrotas. Acho que sou um dos maiores nomes do desporto de Portugal, sim… por conta da minha luta em atingir sempre o melhor!

MO – Alguma vez se sentiu usado pelo poder político devido ao seu sucesso?

CL – Sempre fui usado… e continuo a ser, mas jamais tirei partido disso em proveito próprio!

MO – O que é ser “talentoso” para si?

CL – Talentoso é aquele  que nasce com qualidades e que trabalha com paixão para aperfeiçoá-las. As coisas, feitas desta forma, acontecem com naturalidade…

MO – Da atual geração do atletismo português, qual é a sua opinião?

CL – Há atletas que podiam ter feito mais do que fizeram, chegar mais longe de onde chegaram. Rui Silva, por exemplo, se não tivesse sofrido algumas lesões teria conseguido ainda mais notáveis resultados. Mas, também há aqueles que se perdem em múltiplas atividades  ao mesmo tempo, o que lhes retira capacidade, perdendo-se, desta forma, pelo caminho que pretendiam seguir.

MO – De todos os momentos da sua brilhante carreira é capaz de destacar 3 ou 4? Quais são?

CL – Ter sido atleta do Sporting, meu clube desde sempre… O momento em que me casei, aos 27 anos… O “Ouro Olímpico”… e, ter saído em glória!
Quem tem o prazer de desfrutar de alguns momentos com este ex-atleta, grande campeão, percebe bem o porquê de ter chegado tão longe na carreira que, mesmo depois de tantos anos, continua a ser um nome incontornável do desporto de Portugal.
Tem a humildade suficiente para, mesmo ao garantir que “tinha a certeza” de que ganharia a maratona, não parecer presunçoso: trata-se, com o seu sorriso de “menino”, de uma marca registada chamada “auto-confiança”.
Serve, sim, de exemplo para as gerações de desportistas que lhe têm sucedido, seja em que desporto for, e não só! Em qualquer ramo, em qualquer situação, viver “à maneira de Carlos Lopes” ajuda-nos a todos a atingirmos nossos propósitos.
É, verdadeiramente, um campeão com “C” maiúsculo… e assim sempre será!
Mira Online | Fevereiro 29, 2016 às 5:09 pm | Categorias: Repórter Online | URL: http://wp.me/p5tucu-cjh