Ninfomania

27 de Novembro, 2015 0 Por Carlos Joaquim

A ninfomania implica em uma
descompensação do desejo sexual feminino. A mulher sente um apetite intenso
demais, permeado por fantasias sexuais que a perseguem a ponto de prejudicar
suas actividades cotidianas. Esta perturbação psíquica enquadra-se nos
transtornos conhecidos como Desejo Sexual Hiperactivo (DSH) e se expressa
através de uma ausência do controle da sexualidade.

A paciente é acometida por uma
compulsividade sexual praticamente incontrolável, o que lhe provoca uma grande
dor emocional e repercute directamente em seus relacionamentos afectivos. Mas é
de certa forma um exagero pensar que esta mulher quer praticar sexo
incessantemente, ela apenas tem dificuldades na satisfação de seus desejos, daí
alimentar constantemente a vontade de praticar o ato. Quando essa pessoa tem a
consciência de seu problema e tenta disciplinar seus pensamentos e suas
fantasias, torna-se deprimida e ansiosa. Torna-se cada vez mais difícil para
ela libertar-se destes pensamentos, uma vez que a própria cultura ocidental
canoniza o sexo, estimulando ainda mais as compulsões sexuais.

É comum a ninfomaníaca sentir-se
desprovida de vontade própria, uma escrava de seus próprios desejos. Geralmente
essa sensação vem acompanhada de muita ansiedade antes do ato sexual, de um orgasmo intenso e satisfatório no primeiro momento,
seguido de uma culpa profunda. Mas quais as causas desse problema? Ele não
deixa de ter raízes nos mesmos factores que provocam as demais dependências,
como a busca de um bálsamo para as feridas da alma, uma compensação para a
solidão e para a inadaptação social, um paliativo contra o medo e as
expectativas comuns na vida de cada um, as frustrações e tantas outras emoções
sombrias. Mas vários pesquisadores compreendem esse transtorno também como uma
doença, provocada por mutações no equilíbrio dos neurotransmissores.

No discurso psicanalítico, a ninfomania
é conhecida como hipersexualidade, uma
cristalização do desenvolvimento sexual na etapa anal, ou seja, no momento da
evolução da sexualidade em que as ansiedades deslocam-se para comportamentos
repetitivos. De acordo com a causa estabelecida para este transtorno, deve ser
prescrito um determinado tipo de tratamento. Principalmente no mundo
contemporâneo, quando o surgimento da Internet gerou outro tipo de compulsão
sexual – o sexo virtual -, que atinge aproximadamente dois milhões de pessoas.
Com dificuldades para enfrentar seus
distúrbios de sexualidade e ao mesmo tempo mergulhados em um temor crescente do
outro, principalmente por conta da violência cada vez maior nas grandes
metrópoles, estes indivíduos optam por passar horas sem fim na frente de um
computador, navegando em sites com conteúdo sexual. Estas pessoas procuram,
assim, satisfazer seus desejos a cada momento mais fortes, já que a compulsão
ao vício é sempre maior, quanto mais elas submergem nos meandros da
dependência.
Por Ana Lúcia Santana