Castelo de Paiva | Secretário de Estado Carlos Miguel veio sinalizar inicio da empreitada

Castelo de Paiva | Secretário de Estado Carlos Miguel veio sinalizar inicio da empreitada

05/01/2021 0 Por Carlos Joaquim

 ARRANCOU ONTEM EM CASTELO DE PAIVA A REQUALIFICAÇÃO DO LARGO DO CONDE

Investimento de quase 1 milhão de euros

O Secretário de Estado Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Carlos Miguel, esteve ontem em Castelo de Paiva, para presidir à cerimónia que assinalou o inicio da importante obra, integrada no projecto de Regeneração Urbana da Vila, denominada de “ Arranjo urbanístico da Praça da independência e do Largo do Conde “, uma intervenção financiada pelo Norte 2020 e no PDCR da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa, com o programa a ter inicio às 11 horas, no espaço do átrio principal dos Paços do Concelho.

     Neste contexto, a partir do dia de ontem 4 de Janeiro, registou-se alteração à circulação de trânsito no Largo do Conde e Praça da Independência conforme consta no mapa em anexo, devido à realização desta empreitada denominada “Arranjo Urbanístico da Praça da Independência e do Largo do Conde “, sendo que, nesta fase inicial da obra, o trânsito automóvel será cortado somente na via em frente ao edifício da Câmara Municipal.

      Depois de concretizada a adjudicação da obra, com a empresa Edilages, SA, para a empreitada de Requalificação Urbanística do Largo do Conde e da Praça da Independência, confirma-se assim, esta importante intervenção com investimento 914.646,85 de euros, que hoje terá o seu inicio, e será realizada no âmbito da regeneração urbana que está em curso na vila, tendo em conta a preservação histórica e cultural que a edilidade quer manter neste espaço emblemático da urbe paivense.

      Este é um projecto de requalificação urbana, financiado pelo Norte 2020 em 85% e pela edilidade paivense em 15%, que vai mudar profundamente a imagem do centro da vila de Castelo de Paiva, apresentando um espaço mais funcional, mais valorizado e projectado para as pessoas, abordando o valor histórico, ambiental e estético a ter em conta nesta intervenção, que vai avançar nos próximos meses, privilegiando a funcionalidade, dinâmicas, fluxos, carga diária e conectividade com outros acessos à vila, sem esquecer a tipologia do edificado local e a relação entre edifícios.

                Antes da participação da Academia de Música de Castelo de Paiva com dois bonitos temas musicais, Ricardo Vieira, da empresa projectista Aproplan deu uma resumida explicação deste projecto de regeneração urbana, sinalizando todas as vantagens da obra e as opções encontradas para se respeitar os marcos históricos e o enquadramento do espaço com as necessidades e níveis de modernidade e mobilidade que agora se exigem.

                O presidente da Assembleia Municipal, Gouveia Coelho congratulou-se com a importância desta obra, que considerou moderna e necessária, lembrando episódios antigos para recordar o que foi o Largo do Conde até aos dias de hoje, considerando que se impunha avançar com um cunho de modernidade para gizar traços diferenciadores de regeneração urbana, que façam desta sala de visitas do concelho, um espaço ainda mais acolhedor e atractivo para quem nos visita e que seja o orgulho dos paivense, contra aqueles “ Velhos do Restelo “ que tudo criticam mas que nada fazem em prol do bem comum.

     Por sua vez, o Secretário de Estado Adjunto e do Desenvolvimento Regional gostou do que viu, considerou esta intervenção um projecto bem pensado e desenhadoesperando que, no âmbito do PARU, seja uma obra de referência e uma boa oportunidade para trazer alguma modernidade ao centro da vila, tendo sido contratado através do PT 2020 e a CIM do Tamega e Sousa obras de 2,2 milhões de euros, sendo metade para esta intervenção do Largo do Conde, destacando ainda Carlos Miguel, as outras duas intervenções em falta, na Escola EB1 de Oliveira do Arda e no Centro Escolar de Sobrado, com cerca de 1,5 milhões de euros de investimento.

     O governante referiu que, é preciso estar atento aos próximos programas comunitários e ter projectos prioritários já bem definidosaté porque o Programa de Resiliência e Recuperação que vai chegar da União Europeia vai permitir inscrever obras de melhoramento de acessibilidades, e a não está esquecida a ligação de 10 km da Variante à EN 222 entre a ZI de Lavagueiras e o Nó da A32 em Canedo, para avançar entre 2022/25, lembrando também a necessidade da conclusão do IC 35acessibilidade necessária também defendido na intervenção do presidente da CM.    

                \O presidente da edilidade Gonçalo Rocha referiu a propósito que, estamos perante uma obra ambiciosa, que assenta num conceito minimalista, funcional e esteticamente apelativo, sem retirar as características únicas que este espaço permite, louvando a equipa projectista de jovens paivenses, que gizaram um projecto magnífico, uma obra pensada para conferir ao principal espaço público de Castelo de Paiva, maior qualidade e facilidade de uso, uma melhoria que vai contribuir para o tornar a zona central da vila mais convidativa, criando uma identidade urbana positiva e moderna associada à qualidade do ambiente urbano e ao dinamismo sócio-económico.

     O autarca acredita mesmo que, esta beneficiação vai contribuir para tornar ainda mais convidativo este espaço público de Castelo de Paiva, criando uma identidade urbana, moderna e atractiva, associada à qualidade do ambiente urbano e dinamismo sócio-económico, com espaços públicos renovados dos quais as pessoas, a sua segurança e conforto, são o principal foco, sublinhando ainda o presidente do Município que, o Largo do Conde será sempre um local privilegiado, que continuará a manter a sua história, que será agora mais valorizada e projectada para as pessoas.

     Reduzir as áreas de circulação viárias, a plantação de mais espécies arbóreas promovendo a biodiversidade local, promover a mobilidade pedonal e ciclável, removendo obstáculos físicos e desníveis que dificultam a deslocalização, bem como a melhoria da qualidade estética, paisagística e urbanística são os grandes objectivos deste projecto de requalificação que agora vai ter inicio, sem esquecer a importância de diminuir o impacto arquitectónico de edifícios em mau estado de conservação, assim como beneficiar a contemplação de edifícios de maior interesse, preservar e enaltecer o valor histórico e cultural da estátua do Conde de Castelo de Paiva e o Cruzeiro, promover o conceito de desenvolvimento sustentável e preservação ambiental na utilização de métodos de recolha de águas pluviais, capazes de separar o lixo acumulado, assim como a criação de espaços que facilitem a instalação de estruturas associadas ao comércio local.

       Recordou o responsável municipal que, estes fundos comunitários estão alocados a este tipo de intervenção e não poderiam ser usados para outro tipo de acções, sendo esta, por isso, uma oportunidade única para melhorar e modernizar a vila,  “ que queremos agarrar, com um projecto ambicioso, que assenta num conceito minimalista, funcional e esteticamente apelativo, sem retirar as características únicas que este espaço permite.

     Para o presidente da autarquia é uma nova página na história da vila, que identificará os paivenses, e quando estiver concluída será um trabalho reconhecido, porque respeita o valor histórico e cultural da nossa terra e do nosso povo, introduzindo características modernas que se encontram nos centros urbanos, facilitando a mobilidade, a circulação pedonal, a segurança das pessoas e a preservação dos valores ambientais.

     “ Neste espaço urbano vão manter-se 14 árvores ( tílias ) e serão colocadas mais seis árvores novas, sendo apenas retiradas oito, por uma questão de organização de espaço e em função da distribuição dos componente arquitectónicos definidos “, destacou Gonçalo Rocha na sua intervenção, sublinhando que o Fundo Financeiro alocado para esta intervenção tinha que ser gasto mesmo nesta obra associada à regeneração urbana e não poderia ser noutra qualquer, estando definido, no âmbito deste programa, um conjunto de intervenções importantes, que serão desenvolvidas em breve, representando um fundo de investimento na ordem dos 2 milhões de euros, cabendo mais de 300 mil euros à autarquia.

     O edil lembrou que a vila necessitava muitos destas intervenções, orientadas para uma melhor circulação e mobilidade, referindo-se aos melhoramentos e equipamentos concretizados junto ao Bairro Social da Vila, á requalificação da Avenida General Humberto Delgado, a reabilitação da Rua Emídio Navarro, as intervenções que decorrem nas Ruas Direita Julio Strecht, para além de outras obras, tal como a beneficiação da estrada municipal em Serradelo, anunciando para breve a assinatura do contrato de empreitada da beneficiação da Rua Mário Sacramento, representando um investimento de mais de 7 milhões de euros do orçamento municipal.

     Gonçalo Rocha recordou que o Executivo Municipal que preside tem feito uma maratona intensa no domínio ma amortização da dívida de juros e da dívida de capital, apontando valores na ordem dos 17 milhões de euros, honrando e cumprindo sempre os compromissos assumidos, mas fez questão de dizer, na apresentação desta obra, que o trabalho não se esgota aqui, porque existe uma actuação municipal pró-activa e eficaz, e outras empreitadas vão avançar em breve por todo o espaço do território municipal, procurando um desenvolvimento sustentável e alargar novos horizontes, anunciando a Loja do Cidadão para breve que ficará no edifício do Tribunal Judicial e dará mais dinâmica à vila, também a 2ª fase da intervenção da Zona de Lazer do Choupal, em Pedorido, não ignorando o apoio permanente ao sector social e ao associativismo, onde já se investiram mais de 3 milhões de euros, bem como o apoio às empresas e á industria local, enaltecendo o grande projecto que está em curso, de capitais privados, que será o Centro Empresarial de Castelo de Paiva, nas antigas instalações da Cerne, na ZI das Lavagueiras.

                Carlos Oliveira