“El espírito de la India” em exposição em Monsaraz

“El espírito de la India” em exposição em Monsaraz

12/12/2022 0 Por Carlos Joaquim
A Igreja de Santiago, em Monsaraz, vai receber de 12 de dezembro a 14 de fevereiro de 2023 a exposição “El espírito de la India”, de Sacramento Garcia Buzo. Na mostra que pode ser apreciada diariamente das 9h30 às 13h e entre as 14h e as 17h, a artista apresenta 19 pinturas que evidenciam caraterísticas da sociedade indiana relacionadas com a religião, os ofícios e o turismo.

Natural de Badajoz, em Espanha, Sacramento Buzo é uma autodidata que procura refletir nas suas personagens os traços mais marcantes que fazem o observador intuir a sua personalidade ou estilo de vida, carregando as suas obras de pinceladas realistas com toques impressionistas. Na exposição “El espírito de la India”, organizada pelo Município de Reguengos de Monsaraz, a artista mostra com as suas pinturas meramente realistas, detalhes que representam a cultura hindu e a idiossincrasia do povo indiano.

A atração pela imagem humana tem especial interesse no retrato, uma vez que a sua finalidade não visa atingir a mera estética da personagem, mas sim captar e refletir o interior da pessoa, os seus sentimentos, dúvidas, fraquezas ou forças. Na Igreja de Santiago estão expostas obras que mostram, entre outros, vendedores ambulantes de algodão doce nas zonas turísticas, o Sari que é um vestido tradicional da mulher indiana, um motorista de rickshaw, uma vendedora de especiarias, um barbeiro, um pescador e o banho da purificação.

Sacramento Buzo revela-nos: “as pinceladas são pausas nas quais procuro destacar novas luzes, cores, formas e olhares, revelando o compêndio de personalidade, ação e figura que a obra esconde”. A artista refere ainda: “é especialmente curioso observar o movimento das pessoas pelas ruas. Os seus movimentos e gestos múltiplos e espontâneos conduzem-nos a uma espécie de jogo mórbido em que analisamos, sem nos apercebermos, as cenas que, posteriormente, nos levam a captar o que nos comunicam”.

Carlos Manuel Barão