Recrutamento russo nas redes sociais

30/06/2017 0 Por Carlos Joaquim
 Luis Dufaur (*)
 
 

Ladislav Kasuka redigia sua costumeira diatribe stalinista contra o ocidente num site checo quando começou a receber mensagens oferecendo-lhe dinheiro para organizar protestos de rua. A primeira mensagem, recheada de bajulações pelo seu trabalho, chegou em russo, enviada por alguém que ele desconhecia. De início, a oferta foi de 300 euros. Era para Kasuka, um esquerdista sem um tostão, comprar bandeiras e cartazes para uma manifestação pública contra a OTAN e o governo pró-ocidental da Ucrânia.
Logo depois, ofereceram-lhe mais 500 euros para comprar um videocâmara e publicar seus vídeos na internet. Kasuka ficou surpreso, mas foi aceitando. Pouco depois estava enleado numa estranha trama que funcionava nas redes sociais teledirigida pela Rússia. Seu caso foi apenas um entre muitos na Europa Oriental e Central, resultantes de uma campanha de influência frenética, por vezes grosseira, financiada por Moscou e dirigida por Alexander Usovsky, agitador nacionalista russo, sicário ideológico numa batalha para ganhar almas e mentes nos fios da Internet.

Ladislav Kasuka 

Seu objetivo é recrutar ativistas estrangeiros e irrigá-los com dinheiro fornecido por “oligarcas” e agentes do Estado putiniano. Usovsky “é um bom caso de estudo sobre os métodos russos”, disse Daniel Milo, ex-funcionário do Ministério do Interior eslovaco, especialista em extremismo da Globsec, grupo de investigação de Bratislava. “Ele é uma pequena engrenagem de uma grande indústria. E poderia haver dúzias como ele”, opinou Milo.
Usovsky montou uma rede de sites em várias línguas e criou uma fundação falsa, cuja fachada era promover a cultura. Apresentou orçamento de milhares de euros a Malofeev para promover candidatos pró-russos nas eleições polonesas, mas não conseguiu fazer vencer um só. Identificou contudo sócios na Europa Oriental e Central dispostos a receber sua ajuda. Ampliou na internet as vozes radicais, fez com que pequenas passeatas parecessem muito maiores do que eram.
Trabalhou com a mídia russa para garantir que “seus” colaboradores estrangeiros recebessem ampla cobertura nos órgãos moscovitas. Por isso Kasuka, o stalinista checo, aparece habitualmente na mídia russa como conceituado comentarista de geopolítica e de assuntos checos. Chegou a dizer por meio de Russia Today que os EUA poderiam jogar uma bomba atômica na Ucrânia e culpar a Rússia para assim provocar uma guerra.
“É uma loucura total”, comentou Roman Maca, analista sediado em Praga. “O Canal Um russo apresentou como notícia séria um protesto de 10 pessoas que na sua maioria candidatas à internação num hospital psiquiátrico”. Usovsky acabou caindo em desgraça, mas foi atrás de outros doadores com planos detalhados para montar una “quinta coluna pró-russa”, canalizando dinheiro para políticos anti-OTAN e a anti-UE.
Por sua vez, Kasuka desanimou das arruaças e agora se concentra no estudo da filosofia marxista, dos “logros” de Stalin e da miséria causada pela exploração capitalista. Talvez esteja lendo a ‘Laudato Si’.

          ( * ) Luis Dufaur é escritor, jornalista, conferencista de política internacional e colaborador da ABIM