Dependentes, só de Deus

Dependentes, só de Deus

25/09/2021 0 Por Carlos Joaquim
  • Pe. David Francisquini *

As grandes manifestações do dia 7 de setembro último — festa de nossa Independência — ao mesmo tempo que deram muita esperança ao País de sair do atual impasse a que foi submetido por forças nada ocultas, causaram abatimento não pequeno nas hostes esquerdistas, incluindo os que sonhavam com a dita terceira via, o que parece bom presságio.

Tenho o hábito, adquirido desde os anos de Seminário, de recorrer às Sagradas Escrituras para preparar sermões e outros estudos, entretendo-me ora com a sabedoria, ora com a ciência, ora com os conselhos ali encontrados, ora com a linguagem grandiloquente e a beleza incomparável de suas metáforas.

E por que vos inquietais com o que vestirá? Considerai como crescem os lírios do campo; eles não trabalham nem fiam. E digo-vos, todavia, que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu jamais como um deles” (6, 28).

Do Novo Testamento, cito apenas a parábola dos lírios do campo, que só poderia ter sido expressa por um Deus… Detenha-se comigo, leitor, e admiremos uma vez mais a beleza da narração de São Mateus ao escrever as palavras de Jesus Cristo quando tratou de nosso desapego aos bens terrenos:

As palavras inspiradas pelo Espírito Santo são portadoras de grande carga simbólica. Quantos servos de Deus dedicaram as suas vidas a fim de meditá-las, estudá-las, e assim se santificarem, tendo muitos deles deixado consignadas grandes obras para o aproveitamento dos homens e regozijo dos anjos, redundando tudo para a glória de Deus.

Ainda ontem, lendo e meditando o Livro do Eclesiastes, que muitos atribuem a Salomão, refleti sobre o simbolismo das referências à direita e esquerda, expressões hoje até muito bagatelizadas, mas que não deixam de despertar curiosidade quando tomadas dos livros sagrados e aplicadas às circunstâncias políticas como a que atravessamos no presente momento.

Com efeito, um embate bastante politizado vem ocorrendo no Brasil, fenômeno pouco comum entre nós, pelo menos até o advento das redes sociais, pois os grandes meios de comunicação imperavam de modo absoluto como os únicos que sabiam e poderiam ‘pensar’ pelos brasileiros, impingindo suas tendências, suas modas, suas ideias, enfim, sua filosofia de vida.

As grandes manifestações populares em defesa de nossas antigas instituições — como a família, guardiã dos bons costumes, da boa ordem social com o respeito ao próximo e ao seu patrimônio, resguardada por um Judiciário que inspirava confiança não apenas imediata, mas perene — representam a projeção do que a média dos brasileiros pensa sobre o que se convencionou chamar de direita e esquerda em matéria política, aliás termos hauridos dos tempos da Revolução Francesa.

Por oportuno, menciono uma passagem que me atraiu a atenção do livro do Eclesiastes: “O coração do sábio está na sua mão direita, e o coração do insensato na sua esquerda” (Ecl.10, 2). Ainda que o autor dessas palavras não tivesse em vista o Brasil atual, nem nossa política, creio ser válida a sua aplicação às circunstâncias de nossa situação.

Enganam-se os que pensam em conduzir o Brasil para as vias propostas pela esquerda política, ou seja, o comunismo, o socialismo, o bolivarianismo e tanto outros ismos, com tudo de desastroso que se encontra em seu bojo. As manifestações públicas de 7 de setembro e aquelas que as precederam a partir de 2013 demonstram a existência de um Brasil profundo a bradar que sua bandeira jamais será comunista e que ele deve se manter nas vias da civilização cristã.

Nesse sentido, sob a proteção maternal de Nossa Senhora Aparecida, o Brasil se torna um luzeiro para o mundo, que parece estertorar-se diante de tantos contratempos criados e alimentados pelos próprios homens. Com efeito, tudo o que se tem procurado à guisa de solução vem fracassando ano após ano, dia após dia. Por quê? Porque os homens não querem reconhecer o erro cometido de terem rompido com a doutrina e a lei de Jesus Cristo.

Referi-me acima ao Eclesiastes, agora vejamos o que diz o livro Eclesiástico, 10,7-8:

“A soberba é aborrecida por Deus e pelos homens e toda a iniquidade das nações é execrável. O reino é transferido de uma nação à outra por causa das injustiças, das violências, dos ultrajes e de toda sorte de enganos.”

De uma coisa eu tenho certeza e os conclamo a colocar em prática: rezar, confiar e esperar que o Brasil volte para o seu passado cristão, a fim de que seja como uma cidade forte situada sobre um monte, imune de ser ultrajado e violentado pela injustiça e de vir a depender de alguma nação despótica.

ABIM

____________

*Sacerdote da Igreja do Imaculado Coração de Maria – Cardoso Moreira (RJ)