Entre a Lua, o Caos e o Silêncio: a Flor

Entre a Lua, o Caos e o Silêncio: a Flor

08/04/2021 0 Por Carlos Joaquim

Antologia de Poesia Angolana faz História Um hino de amor à poesia

De vez em quando, damo-nos conta de que se está a fazer História. Entre a Lua, o Caos e o Silêncio: a Flor faz História. Com excepcional organização de Irene Guerra Marques e Carlos Ferreira, esta é a mais abrangente, plural e livre antologia angolana já publicada: vai da literatura oral nas línguas nacionais a contemporâneos como Agualusa, Manuel Rui, Ana Paula Tavares, Lopito Feijóo, Amélia Dalomba ou Ondjaki. Entre a Lua, o Caos e o Silêncio: a Flor é uma edição Guerra e Paz com o apoio da empresa dstgroup, mecenas exclusivo deste projecto monumental que levará, aos leitores de língua portuguesa em todo o mundo, o admirável património literário angolano. A obra chega à rede livreira nacional no próximo dia 13 de Abril.

Uma viagem encantatória por um património riquíssimo de vários séculos, dos precursores Luís Félix Cruz ou Cordeiro da Matta aos clássicos do século XX como Alda Lara, Agostinho Neto, Viriato da Cruz, Mário António, Ruy de Carvalho, Jorge Macedo, Mário Pinto de Andrade. Assim é Entre a Lua, o Caos e o Silêncio: a Flor, uma antologia ímpar na história da literatura angolana, que resulta de um trabalho de recolha exaustivo e rigoroso, assinado pela professora Irene Guerra Marques e pelo poeta Carlos Ferreira.

Os organizadores dividiram a obra em três partes. A primeira, dedicada à literatura oral, oferece a transcrição literal dos poemas nas línguas nacionais, seguida de tradução acompanhada por notas que contextualizam cada poema. A segunda parte, referente aos precursores, abarca nomes sonantes da poesia angolana, de Luís Félix Cruz a Jorge Rosa, levando o leitor numa viagem do século XVII, assinalado pelos primeiros textos poéticos manuscritos, até ao século XIX. Eis que chegamos à «Modernidade e Contemporaneidade», a última das partes desta antologia. Nela, irrompem os poetas dos séculos XX e XXI, contrastando, a cada virar de página, manifestações artísticas distintas – as «continuidades e descontinuidades» a que o subtítulo alude.

Obrigatória, esta antologia é para ser lida com prazer; por todos, sobretudo pelos que amam a diversidade da língua portuguesa, aqui tratada com tão imensa alegria e criatividade pelos poetas angolanos. Um precioso livro, pleno de informação biográfica e bibliográfica para o futuro.

Esta é uma edição cuidada ao pormenor e cuja apresentação gráfica é sóbria e elegante. À beleza da capa, centrada numa ilustração do mestre José Rodrigues, junta-se a pintura à mão das três faces do miolo, que faz deste um livro de coleccionador.

Entre a Lua, o Caos e o Silêncio: a Flor – Antologia de Poesia Angolana chega à rede livreira nacional no próximo dia 13 de Abril, com a chancela da Guerra e Paz. A obra poderá ainda ser adquirida através do site da editora.

Entre a Lua, o Caos e o Silêncio: a Flor

Org. Irene Guerra Marques e Carlos Ferreira

Ficção / Poesia

704 páginas · 15×23 · 25,00 €

Nas livrarias a 13 de Abril

Guerra e Paz, Editores