Florestas tropicais estão se tornando fontes de carbono, ao invés de absorvê-los da atmosfera

Florestas tropicais estão se tornando fontes de carbono, ao invés de absorvê-los da atmosfera

06/03/2020 0 Por Carlos Joaquim
Por Natasha Romanzoti, em 5.03.2020 –
De acordo com um novo estudo internacional que teve a colaboração de mais de 100 instituições científicas, a Amazônia pode se tornar uma fonte de carbono na atmosfera, ao invés de ser uma das maiores absorvedoras desse gás, já na próxima década.
Esse cenário sombrio é devido ao desmatamento causado por madeireiros e interesses agrícolas na região.
Se isso realmente ocorrer, os efeitos e impactos da mudança climática devem ser ainda piores e o mundo terá que diminuir suas atividades produtoras de carbono muito mais rápido a fim de compensar a perda de seus sumidouros de carbono.

Metodologia

Os cientistas analisaram 300.000 árvores em 30 anos, oferecendo a primeira evidência de larga escala da diminuição da absorção de carbono pelas florestas tropicais.
Eles combinaram dados de duas redes de pesquisa grandes com observações florestais na África e na Amazônia, bem como informações de diversas viagens realizadas a locais remotos, como o Parque Nacional da Salonga, no Congo.
Os cientistas também utilizaram pregos de alumínio para marcar árvores individuais, medindo seu diâmetro e estimando sua altura a cada poucos anos. Isso permitiu que eles calculassem o carbono armazenado em cada uma.

Diminuição da absorção

Os pesquisadores descobriram que, no geral, as florestas tropicais estão absorvendo menos dióxido de carbono do ar, reduzindo sua capacidade de agir como “sumidouros”.
“Descobrimos que um dos impactos mais preocupantes da mudança climática já começou. Isso está décadas à frente até dos modelos climáticos mais pessimistas”, disse Simon Lewis, um dos principais autores da pesquisa e professor de geografia da Universidade de Leeds (Reino Unido).
Pelas últimas três décadas, a quantidade de carbono absorvida pelas florestas caiu significativamente – elas agora só absorvem um terço do que faziam em 1990.
Uma vez que isso é reflexo das temperaturas mais altas, secas e desmatamento, e que essa tendência deve continuar, os cientistas pensam que uma floresta tropical típica pode se tornar uma fonte de carbono em 2060.
Os cientistas também descobriram que a Amazônia começou a enfraquecer primeiro que as florestas africanas, provavelmente porque são expostas a temperaturas mais altas, aumentos de temperatura mais rápidos, e secas mais frequentes e severas.
Baseado nessas observações, nas tendências de emissões, temperatura e precipitação e em modelos estatísticos, a projeção do estudo é de que a floresta amazônica irá se tornar uma fonte de carbono já na metade da década de 2030.