“Lúcia, a última mensagem” apresentado no Clube de Leitura

“Lúcia, a última mensagem” apresentado no Clube de Leitura

31/01/2020 0 Por Carlos Joaquim
Manuel Arouca, autor da telenovela “Jardins Proibidos” e de obras como “Os filhos da costa do sol”, foi o convidado do mês de janeiro do Clube de Leitura Aristóteles Lusitano que decorreu esta quinta-feira, 31 de janeiro, na Biblioteca Municipal, trazendo consigo o seu mais recente trabalho: o livro ficcionado “Lúcia, a última mensagem”. “Sendo um potencial meio de difusão tão discreta quanto objetiva da mensagem de Fátima, neste livro de ficção Manuel Arouca ousa a proeza de por em relevo a última das profecias de Lúcia, datada de 3 de janeiro de 1944, na qual Nossa Senhora indicou, com expressão apocalíptica, as consequências das alterações climáticas (tema hoje tão em voga e problemática assaz candente e presente nas agendas políticas e nas preocupações da larga maioria dos viventes), mas também a ganância e o ódio que marcam os tempos e levam à destruição da humanidade, aos dramas familiares e sociais”, referiu, na apresentação, Alfredo Bernardo Serra, um dos dinamizadores do Clube de Leitura.
Na sua intervenção, Manuel Arouca começou por referir que nem sempre foi crente mas que se converteu nos últimos anos, tendo referido a forma como a religião influenciou a sua vida, não apenas na escrita deste livro – que aborda diretamente a Mensagem de Fátima -, mas também na realização de novelas, com destaque para Olhos de Água, a segunda com mais audiência na história das telenovelas portuguesas. O seu percurso de vida pode antever-se nas suas obras: em “Deixei o meu coração em África” mostra o seu fascínio por este continente, ele que nasceu em Moçambique, de onde regressou ainda muito novo; e em “Os filhos da costa do sol” retrata algumas das suas experiências da juventude. A religião tornou-se mais marcante nos últimos anos da sua vida, encontrando-se atualmente a trabalhar num projeto sobre Santa Beatriz que o levará à Colômbia. Não é por acaso que o seu carro se chama “Pastorinho”, curiosidades que Manuel Arouca partilhou com a audiência, composta por várias pessoas ligadas ao movimento da “Mensagem de Fátima”.