Águeda | Obras na “Casa do Adro” já estão em fase adiantada

Águeda | Obras na “Casa do Adro” já estão em fase adiantada

10/01/2020 0 Por Carlos Joaquim
Empreitada envolve três edifícios e a construção de um espaço novo, bem como arranjos exteriores no valor global de 1,02 milhões de euros
A empreitada da “Requalificação dos edifícios da Orquestra Típica, Cancioneiro e Conservatório e do espaço exterior envolvente aos mesmos” já está em fase adiantada de obra. A intervenção, adjudicada à empresa Nível 20 – Estudos, Projectos e Obras, Lda, arrancou em Julho e está a avançar, em respeito pelo prazo de execução de 12 meses estipulado, sendo que a conclusão está prevista para Julho deste ano.
Tal como se depreende da designação da obra, conhecida como a “Casa do Adro”, o complexo integra três edifícios independentes (Conservatório, Cancioneiro e Orquestra Típica) que estão a ser reabilitados, visando conferir ao edificado as condições adequadas às exigências contemporâneas. A intervenção decorre numa área bruta de 1.902,32 metros quadrados e uma área de implantação de 1.261,58 metros quadrados.
“Esta é uma obra de grande importância para o Município. Estamos a intervir numa área nobre da cidade, mantendo inalteradas as características ímpares do edificado, mas conferindo a cada equipamento as melhores condições térmicas, acústicas e de comodidade para que os utilizadores e público possam usufruir destes espaços com toda a qualidade e segurança”, assinalou Jorge Almeida, Presidente da Câmara Municipal de Águeda, que antecipa o cumprimento dos prazos previstos para a conclusão da obra. Esta intervenção é um “exemplo do bem-fazer da Câmara, que tem uma preocupação continuada por conferir dignidade aos espaços sob a sua responsabilidade”, frisou o Edil.
A reabilitação do Conservatório de Música de Águeda baseou-se no tratamento das paredes exteriores, com tratamento térmico, bem como na substituição da caixilharia (anteriormente em madeira e agora em PVC e vidro duplo, melhorando as condições térmicas e acústicas da infraestrutura), cobertura (remoção da cobertura, colocação de telha nova e isolamento térmico) e caleiras do edifício. Está ainda a ser realizada a adaptação sanitária para deficientes e melhorada as condições de mobilidade no edifício, com a implementação de uma plataforma elevatória para pessoas com mobilidade reduzida.
Ainda relativamente ao Conservatório, é aqui que está uma das obras de maior envergadura que passa pela construção de um espaço novo, ampliando a capacidade deste equipamento cultural. Uma estrutura que está a ser construída de raiz, numa zona em declive e quase em cave, o que torna o seu impacto visual quase nulo. Quanto a esta intervenção em concreto, Jorge Almeida frisa o aumento da capacidade que o Conservatório de Música passa a ter, dispondo de um auditório amplo para as suas atividades, bem como consubstancia um incremento na resposta cultural do Município.
Já o Cancioneiro, que vai ter um novo telhado, com uma estrutura em perfis de ferro, rematado no cume com uma clarabóia, para a entrada de luz natural no espaço, vai manter a sua traça original, uma vez que as paredes exteriores serão conservadas e será preservada a sua identidade e características típicas aguedenses, de seixo rolado, ou godo como é comummente designado. Para além dos revestimentos novos no interior, o espaço está a ser equipado com novas instalações sanitárias, adequadas a pessoas com mobilidade reduzida.