Belmonte e Sabugal apostam no turismo judaico para captar visitantes

Belmonte e Sabugal apostam no turismo judaico para captar visitantes

31 de Março, 2019 0 Por Carlos Joaquim

Os concelhos de Belmonte e do Sabugal, no Interior Centro do país, estão a apostar na dinamização do turismo judaico para captar visitantes e encaram o setor como uma nova esperança para o desenvolvimento do território.

 

No município de Belmonte (Castelo Branco), que possui uma das mais antigas comunidades judaicas do mundo, encontram-se vários equipamentos relacionados com a vertente judaica, com destaque para um museu, que foi inaugurado em 2005 e renovado em 2017.
O Museu Judaico, dedicado à comunidade judaica local, está integrado na Rede de Museus Municipais que também abrange o Museu dos Descobrimentos, o Ecomuseu do Zêzere, o Museu do Azeite, a Igreja de São Tiago e Panteão dos Cabrais e o castelo.
Segundo Susana Miranda, da Empresa Municipal de Belmonte, o Museu Judaico é um dos locais “mais visitados” da vila, “muito a par com o Museu dos Descobrimentos, por causa de Pedro Álvares Cabral e também da descoberta do Brasil”.
O museu “tem um peso enorme em relação aos visitantes de Belmonte”, disse a responsável à agência Lusa.
O espaço mostra ao público aspetos da religião judaica no geral e “um bocadinho da história” da comunidade judaica de Belmonte.
Desde a sua reabertura, a 2 de agosto de 2017, o núcleo museológico já acolheu cerca de 40 mil visitantes, maioritariamente nacionais e israelitas.
Muitos dos turistas, sobretudo os que professam a religião judaica, têm em Belmonte um hotel específico – o Belmonte Sinai Hotel -, que foi inaugurado em 2016.